Ir para conteúdo

Blog dos Alunos

  • postagens
    23
  • comentários
    43
  • visualizações
    14.786

Contribuíram para este blog

Sobre este Blog

 Esse é o espaço que vocês pediram:
Um cantinho para postarem dicas e conteúdos sobre Power BI

Importante:

  • Conteúdos com propagandas sobre cursos e trabalhos devem ser feitos fora da comunidade.
  • O conteúdo precisa ser útil aos demais membros da comunidade.
  • Conteúdos que fugirem do tema desta comunidade poderão ser deletados sem aviso prévio.


Na dúvida, entre em contato com os moderadores:
@Roseane    @Rafa Lemos   @Frank Figueredo   @Sayuri

Postagens neste Blog

Rodrigo R1

Produtos sem vendas - rotatividade de estoque


Medidas Avançadas em DAX

Bom dia pessoal.


Segue minha contribuição pra um tema que tem sido recorrente em nosso fórum aqui da comunidade: produtos sem vendas em determinado período de tempo:

https://www.linkedin.com/pulse/an%C3%A1lise-de-produtos-que-n%C3%A3o-tiveram-vendas-ao-longo-do-rodrigo-r1


Esse foi meu primeiro artigo do LinkedIn e tal raciocínio lógico pode ser usado também em outras análise: como clientes e vendedores - identificar clientes que deixaram de comprar, quando foi sua primeira compra...ou acompanhar ainda performance dos vendedores da empresa.


Assunto extremamente importante e que envolve algumas medidas DAX e analogia com a Teoria dos Conjuntos da Matemática pra chegar na solução desejada.


Espero que possa ajudar de alguma maneira.

Sucesso aí pessoal....

Lucass Sousa

Primeiro Dash no Linkedin


Linkedin
Boa noite pessoal,
Pela primeira vez, tomei coragem de compartilhar um Dashboard no Linkedin, um que foi criado dentro do curso mesmo, da trilha express.
Se puderem dar uma passadinha no post e ajudar com um like, já deixo meus agradecimentos desde já. E vamos pra cima! 
Obrigado!!! 💯

https://www.linkedin.com/posts/lucas-e-s-sousa_powerbi-powerbiexperience-incomparaerveis-activity-6936567291320918016-jqcX?utm_source=linkedin_share&utm_medium=member_desktop_web
 
Wellington santos

Novo desafio na Carreira


Dica sobre X

Bom dia Pessoal

Espero que esteja todos bem!

Esse mês foi um divisor de agua na minha carreira fui convidado para trabalhar em uma empresa do segmento agrícola “Usina”, mudei totalmente de carreira trabalhava na logística agora estou no setor de controladoria agrícola aqui usamos muito Excel para relatórios “Dashborad” porem vai ser implantado “POWER BI”.

Graças ao investimento que resolvi fazer em min comprado o curso de Power BI do mestre Leonardo karpinski aqui estou para esse desafio. E que desafio!

Meu primeiro desafio é criar um relatório de disponibilidades mecânicas preciso desenvolver um Dashboard para indicar quanto tempo Equipamento (Veiculo) fica na oficina   por dia, semana, mês, ano, comparando com metas

Consegui desenvolver um relatório aonde coloque um gráfico de colunas empilhadas que éo que hoje é feito em Excel por dia, mês, ano

Excel

image.png.8b1546844a0f0d591cdb6268d9ed939b.png

Power BI

image.png.369df16e67db01deb4c3bfba0f71fac2.png

Segue PBIX anexo

Gostaria de Feedback de vocês no que posso melhorar nesse caso o que outras ideias de Layout

Modelo004 1.pbix

Thiago Anizio

Olá pessoal,
Contar uma situação que me fez investir um tempo hoje...

Trouxe a base para Power Query e fiz medidas para faturamento, lucro, % lucro, etc. Não conseguia fazer bater minha matriz com o relatório extraído do sistema e excel. 
Onde estava a pegadinha?

Minha medida de faturamento considerava valor unitário x quantidade, quando ocorria uma devolução de venda o sistema ERP trazia os dados com sinal de (-) na frente não só para o valor unitário de venda como também para quantidade e isso aumentava o valor faturado dentro do BI ao invés de diminuir.

image.png.bcc044f396ce1539b877fe451d1e76a4.png

Repare que a coluna total está com valor negativo para devoluções, isso me fez interpretar que a conta estava certa, como fiz a medida valor un x qtde (- com - dá +) o valor subia no BI. 👀    

Regrinha de matemática, fica a dica! 😅

Engel Trindade

O Despertar da Cultura de Dados


Guia de Implementação Power BI

Fala galera,

Hoje durante a Mentoria mensal com os alunos a Sayuri questionou sobre o e-book que havíamos desenvolvido durante o Bootcamp da HPN.
E é claro, tinhamos que postar aqui na comunidade! 

Então, convido todos vocês a lerem um pouco mais sobre como funciona a Implementação de uma Cultura de Dados através da ferramenta de Business Intelligence, Power BI.

O e-book, produzido por mim e meus amigos da BIWars (Equipe formada durante o Bootcamp: Leodécio Gomes, Bruno Abdalla de Souza, Eduardo Carvalho, João Sousa), aborda diretrizes para impulsionar a adoção e manutenção da solução, com processos de governança de dados descritos e detalhados.

E-book aprovado pelo mestre Leonardo Karpinski 💖

Boa leitura!
 

Link: https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:6875114250809970688/

#PowerBi #BusinessIntelligence #DataDriven


Obs: Me perdoem a demora para postar aqui o contéudo e relevem caso tenha alguma alteração quanto as licenças .


Beijos! 🥰

BI WARS.pdf

Vasata

Dados são Ativos !


Dados são Ativos !

Você já deve ter ouvido que dados são o novo petróleo certo? 

Mas sabe quando que esse novo petróleo irá trazer os benefícios tão esperados?

Somente quando esses mesmos dados começarem a serem tratados como ATIVOS da empresa, e ter a atenção devida para estarem saudáveis e eficientes.

Quantas vezes vemos empresas investindo em novas máquinas, melhorando a estrutura física, cuidando e renovando seus ativos.

Pois bem, a mesma energia demandada para isso deveria ser direcionada aos dados da empresa, pois são eles que apontarão o caminho de toda a organização. Esperar que esses dados sejam de qualidade e gerem oportunidades sem que recebam o mínimo de atenção, é de certo ponto ilógico.

Sabe qual é um dos grandes segredos das empresas que são referência em cada segmento? Seus dados são tratados como um dos mais valiosos dos seus ativos, e sabem a importância que eles tem para o sucesso da empresa.

Pense nisso! Pois a Walmart, Amazon, Google, Facebook, Capital One, Target e outras já pensam nisso a muito tempo.

Barony

DESAFIO BI 300


DESAFIO - DAX

Boa tarde 

Como sempre a BI300 gosta de propor desafios na comunidade. Segue abaixo um desafio que fizemos para ajudar um case e gostamos de compartilhar, porem não entregaremos a solução fica uma forma de treinar para consultorias futuras.

 

image.thumb.png.e8e2cc473d093e073278543f6dd4e9e4.png

Delfino Neto

Um parto!


DataViz

Você já parou pra pensar que as vezes o seu trabalho, o seu dashboard, passará por um período de gestação? que vai ser um parto?

 

Desde Dezembro de 2020 eu venho pegado neste Dash, ele ainda não "nasceu", mas isso está quase acontecendo:

https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiYjY1MzhiMGMtZGQyYS00NjJhLTkxMDAtMDc0MDE2ZGRmZmQyIiwidCI6IjljM2VmNmZiLWE0YjYtNDc0Mi05NjNmLWI3MzM2NGUxYzYzNCJ9&pageName=ReportSectionbd2d2d2aece19d75b9b0

 

Existe um momento em que os dashboards são quase como um parto rsrsrs esse aqui tá quase pra nascer

image.thumb.png.e12d21376bb0853677f6e439259e47a6.png

 

image.thumb.png.baedec82bdc214959eae8cee878a842a.png

 

UMA HORA VOCÊ TAMBÉM PASSARÁ POR ISSO E VERÁ A BELEZA DESTE MOMENTO!

Sayuri

Hey, tudo jóia com você?!

Decidi postar a solução que dei para um Dashboard feio escondido no fundo da gaveta utilizando as 9 recomendações do nosso mestre - o Leonardo Karpinski.
Vamos ver se deu certo?!

 

Antes:

image.thumb.png.c2ab2e2466471549ef569f5010366b95.png


Identificando os pontos de melhorias:

image.thumb.png.e16e1b47cefa483de6b1eb3632572637.png


1. Grupos de elementos sem padrão de espaçamento entre eles. Espaçamento entre ícone e cartão distintos entre os grupos de elementos. 

2. Seria melhor utilizar texto alinhado a esquerda. Toda leitura ocidental começa da esquerda para a direita. 

3. Não precisa de divisória para separar os grupos de elementos. Eles são visualmente distintos e já estão segregados.

4. Falta de espaço "em branco" distanciando os visuais. Todo dashboard precisa de uma "área de respiro". Bordas desnecessárias. 

5. Título descreve o visual e não mostra o que ele representa. Esse texto ficou redundante em relação ao que já está sendo mostrado.

6. Bordas desnecessária e com padrão redondo (diferente de todas as demais).

7. Raio da borda diferente dos demais. Sem padrão aqui, baby!

8. Visual desordenado - poderíamos ordenar da maior receita para a menor. Mesmo que fosse importante a ordem alfabética dos valores, o título não descreve a importância de visualizar dessa forma. 

9. Poluição visual. Escolha apenas 1: rótulo ou eixo. 

10. Cor igual ao gráfico ao lado que dá uma falsa impressão de mostrar as mesmas métricas e pode confundir o usuário.

11. Muitas cores. Gráficos empilhados devem ter no máximo 4 categorias. Veja que a legenda não cabe no visual, necessitando que usuário clique para ver o restante. 

12. Gráficos de evolução no tempo geralmente usam o tempo no eixo x, além disso há um scroll na vertical porque não coube tudo. Esse gráfico da forma que está de nada ajuda a identificar padrões, sazonalidades, tendências. 

13. Gráfico desalinhado em relação aos demais. Falta de padrão de espaçamentos e alinhamentos.


14. Não deixe seu usuário com torcicolo. Deixe os valores do texto do eixo da forma que você lê, na horizontal bem bonitinho! No Power BI o bisu é desativar a configuração "concatenar rótulos":

image.png.50d3c9e53c63ea5fff608279cb9d7106.png

15. Rolagem do gráfico na horizontal: never! Evite ao máximo. 

16. Observe a distância entre a fonte e as extremidades do retângulo que ela está. Está espremida ali né?! É essa sensação que seu usuário vai ter.

17. Padronize a escolha e tamanho das fontes de acordo com a hierarquia visual. Já viu aquelas blusas engraçadas tipo essa daqui? É essa magia que ocorre quando pensamos na hierarquia visual!
fpwKa5v.png

 

Solução final: buscando referências, adicionando umas coisas e aplicando as melhores práticas, eis o  tchan tchan tchan tchan: 

DpaiFOf.png

É fazendo errado que se aprende, né?!
A versão feia foi feita por mim há 2 anos. Todo mundo começa errando.
Cabe a nós termos a humildade de identificar os pontos de melhoria e corrermos atrás pra estarmos 1 passo melhor todos os dias!

Ah, não esquece de se inscrever no Workshop!
O Leo dará muuuitas dicas valiosas sobre DataViz que vai transformar seu modo de criar Dashboards!
Bjs, 
Say.

image.png

vsano

Boa noite, pessoALL!

Compartilho com vocês um dashboard que fiz com Registros do Departamento de Extranjería y Migración de Chile.
No momento foram os dados principais para consultas que vão desde o acompanhamento do histórico de imigrantes, consulta de permanencias definitivas para estrangeiros e registros de visa.
Em breve mais informações.  

Link:  https://www.linkedin.com/posts/victorsano_powerbi-bidata-activity-6826283897584721920-L8Ol


Gostaria de aproveitar e tirar uma dúvida:
Meu Power BI é todo em espanhol, porém ao publicar (meu Power BI online, é definido o padrão em Português-BR,  deixando alguns campos do dashboard em português como "selecionar tudo" e o "em branco". 
Há alguma maneira de mudar isso neste dashboard publicado sem que tenha que alterar o idioma no Power BI online ? 
Agradeço desde já! 

Adm. Wesley Divino

Boa noite Pessoal !!
Conheçam o PAINEL de monitoramento da covid-19 que desenvolvi. 
Acompanhe os dados da vacinação e os indicadores da COVID-19 na sua cidade no Brasil e no Mundo. 
Acesse nosso PAINEL no link abaixo e tenha um panorama dinâmico e atualizado da pandemia.

Link do Painel
https://www.linkedin.com/posts/adm-wesley-divino_acompanhe-os-dados-da-vacinação-e-os-indicadores-activity-6808515050312204289-7mtG
 

Celso Spina

Pessoal, gostaria de compartilhar um script para carregar os tickets ou outros dados do sistema Auvo Desk e Auvo. Depois que quebrar muito a cabeça, o Leo me mostrou a solução na excepcional aula que o Paulo deu ontem 22/04/2021. Meu erro estava nas credenciais, ao invés de colocar Public, estava colocando None.

let

    getURLParameter = (Param) => 

let
    Fonte = Json.Document(Web.Contents("https://api.auvo.com.br",[RelativePath = "/v2/login/?", Query = [apiKey=ApiKey, apiToken=ApiToken]])),
    result = Fonte[result],
    token = "Bearer " & result[accessToken],
    headers = [Authorization=token, #"Content-Type"="application/json"],
    web = Web.Contents("https://api.auvo.com.br", [Headers=headers, RelativePath = "/v2/" & Param & "/?"]),
    result1 = Json.Document(web),
    totalItems = Number.RoundUp((result1[result][pagedSearchReturnData][totalItems]/pageSize)),
    lista = List.Generate(()=>1, each _ <= totalItems, each _ +1),
    #"Convertido para Tabela" = Table.FromList(lista, Splitter.SplitByNothing(), null, null, ExtraValues.Error),
    #"Função Personalizada Invocada" = Table.AddColumn(#"Convertido para Tabela", "Lista", each 
        let
            web1 = Web.Contents("https://api.auvo.com.br", [Headers=headers, RelativePath = "/v2/" & Param & "/?", Query = [pageSize=Text.From(pageSize), page=Text.From([Column1])]]),
            result2 = Json.Document(web1)
        in
            result2
    ),
    #"Lista Expandida" = Table.ExpandRecordColumn(#"Função Personalizada Invocada", "Lista", {"result"}, {"result"}),
    #"result Expandido" = Table.ExpandRecordColumn(#"Lista Expandida", "result", {"entityList"}, {"entityList"}),
    #"entityList Expandido" = Table.ExpandListColumn(#"result Expandido", "entityList"),
    #"entityList Expandido1" = Table.ExpandRecordColumn(#"entityList Expandido", "entityList", {"id", "creationDate", "teamId", "teamName", "userCreatorId", "userCreatorName", "userResponsableId", "userResponsableName", "title", "customerId", "customerName", "customerEmail", "customerPhoneNumber", "equipmentId", "requestTypeDescription", "priority", "description", "statusDescription", "statusType", "taskIds", "endDate", "emailMenssageId", "requesterEmail", "requesterName", "sla", "slaBalance", "urlAttachments", "customFields", "alterations", "interactions"}, {"id", "creationDate", "teamId", "teamName", "userCreatorId", "userCreatorName", "userResponsableId", "userResponsableName", "title", "customerId", "customerName", "customerEmail", "customerPhoneNumber", "equipmentId", "requestTypeDescription", "priority", "description", "statusDescription", "statusType", "taskIds", "endDate", "emailMenssageId", "requesterEmail", "requesterName", "sla", "slaBalance", "urlAttachments", "customFields", "alterations", "interactions"})
in
    #"entityList Expandido1"

in

getURLParameter

Onde Param Tickets.

 

Obrigado Leo.

Vasata

Processo Conceitual de BI (Business Intelligence)


Processo Conceitual de BI (Business Intelligence)

Hoje quero escrever um pouco sobre o processo de BI (business intelligence) de forma mais conceitual. Para tanto precisamos entender exatamente o que significa “dados”, “informação” e “conhecimento”.

Primeiramente vamos falar sobre dados, a matéria prima da informação, ou seja, dados são informações não tratadas, que ainda não apresentam relevância, desacompanhadas de qualquer ponto de referência.

O resultado do processamento, tratamento e contextualização dos dados são as informações. Logo podemos definir que informação são dados contextualizados! 

Agora as informações já tem significado, e podem contribuir no processo de tomada de decisões, pois esses dados possuem valor agregado, e a partir disso podemos formar conhecimento. Se um dado trabalhado gera informação, da mesma forma uma informação trabalhada gera conhecimento.

O conhecimento é superior a informação, pois ele além de ter um significado tem uma aplicação. A informação é valiosa para compreensão dos sistemas, mas o conhecimento constitui um estágio mais elevado. Ele tem a capacidade de produzir ideias novas, e alterar situações pré-existentes, buscando a evolução e a melhoria continua dos sistemas em questão.

E a inteligência o que seria? Bom, uma das definições de inteligência é conhecimento profundo. Agora já podemos então entender melhor o que é BI (business intelligence) ou simplesmente inteligência de negócios.

Veja só, quando encontramos em uma organização dados espalhados por todos os cantos, cada um desacompanhado e descontextualizado fica difícil tomar alguma decisão, certo?

Mas agrupe esses dados com outros dados que tenham sentido ou os afetem, já não serão mais somente dados, passaram a ser informação!

No próximo estágio começa o tratamento dessas informações para que as mesmas se tornem conhecimento, é aqui que entra toda a expertise de um analista de BI, não significa que nas etapas anteriores ele não faça a diferença, mas é agora que a mágica acontece!

Nesse ponto são criadas as correlações, são gerados insights, tendências são descobertas, aparecem os outliers e assim por diante até que seja construído valor para o negócio, esse é o objetivo principal, nesse momento nasce o conhecimento, ou como vimos acima inteligência de negócios (BI - Business Intelligence). 

https://www.linkedin.com/posts/adriano-vasata_dashboards-businessintelligence-etl-activity-6778725931088449536-66gc

luciano viterbo

Pessoal,

Elaborei o meu primeiro Dash Financeiro.

Considero uma vitória!

E estou em busca de evoluir, e construir um DASHBOARD - DRE, incluindo Storytellings, em breve... 

Eu sou autodidata em Webdev - FrontEnd, WORPRESS, e criei um Site para meu Perfil Profissional; e disponibilizei o ACESSO ao meu PowerBI;  ______então peço o favor de TESTAREM o LINK Abaixo: 

Portfólio - LVITERBO %

Vasata

Key Performance Indicator - KPI


Key Performance Indicator - KPI

Key Performance Indicator - KPI

Seu negócio está no caminho certo? Suas ações estão dando resultado? Se você não usa nenhum indicador ou medida, provavelmente você vai tirar conclusões baseadas em observações e "achismo". Isso talvez em situações pequenas ou com pouca informação possa até dar certo, mas, quando você se deparar com situações de maior complexidade e muitas entradas de dados fica difícil administrar apenas pela sua percepção.

Aqui queremos introduzir o conceito de KPI, ou Indicador chave de desempenho (em inglês “Key Performance Indicator – KPI”, ou até mesmo como "Key Success Indicator – KSI”), que são um conjunto de medidas de desempenho que demonstram a eficácia com que uma organização está atingindo os objetivos previamente estabelecidos.

Para melhor entendimento, vamos imaginar que resolvemos fazer uma viagem de carro para uma cidade que nunca visitamos. No painel de instrumentos do nosso carro vamos encontrar vários KPIs, como por exemplo nível de combustível, temperatura, rotações do motor, velocidade, quilometragem percorrida e outros mais. Esses KPIs captam informações de vários lugares de nosso carro, permitindo gerenciar essa viagem da melhor forma possível e com muita precisão.

A mesma lógica se aplica no meio corporativo, as informações são captadas em vários lugares e departamentos da empresa, sob várias óticas para gerar os KPIs.

Os KPIs fornecem um foco voltado à melhoria operacional e das estratégias, criando uma base analítica para a tomada de decisões e ajudar a focar a atenção no que é mais importante e crítico.

Como disse Peter Drucker, “o que pode ser medido, pode ser melhorado”

Também podemos dizer que KPI são “veículos de comunicação”, pois permitem aos líderes da organização comunicar aos seus liderados o quão eficiente um processo é, e como está seu desempenho ao longo de um período determinado. Portanto eles precisam ter uma fácil compreensão e fazer sentido para todos os degraus hierárquicos da organização.

Os KPIs sempre devem ser acompanhados de metas ou objetivos, pois simplesmente a medição dos mesmos não traz informação relevante na definição de ações a serem tomadas. Nenhum KPI isolado explica como uma situação aconteceu ou como se alterou. Isso acontece pois temos os indicadores principais que se originam de indicadores secundários, portanto um conjunto bem definido de KPIs é essencial para indicar onde as condições se deterioraram e como podem ser melhoradas.

Se a estratégia e os principais objetivos da empresa não forem claros, e não tiverem a sua segmentação interna definidas, seus indicadores tendem a se concentrar exclusivamente nos resultados financeiros. A dependência excessiva de indicadores financeiros leva a uma visão desequilibrada e incompleta da saúde de uma empresa.

Os KPIs podem ser categorizados em vários tipos diferentes, os mais comuns são quatro: Financeiro, Comercial, Processo e Pessoas. Mas não podemos limitar a somente esses, pois cada empresa tem as suas particularidades que precisam ser respeitadas.

Quais KPIs devo usar?

A quantidade de KPIs disponível é enorme, podemos mencionar alguns como: receita recorrente, stock out, custo de aquisição de cliente (CAC), tempo de retorno de SAC, market share, ticket médio, lifetime value, budget x custos, ociosidade, turnover, lead time, giro de estoque, usuários ativos por dia, despesas, EBITDA, taxa de devolução, taxa de churn, taxa de conversão, satisfação dos clientes, entre outros.

Você deve restringir a lista para que esteja escolhendo apenas os KPIs que realmente ajudarão a impulsionar sua estratégia. Muita atenção, pois os KPIs para sua empresa podem não ser os mesmos para outra empresa, existem vários fatores a serem levados em consideração na hora de escolher, como área de atuação, tamanho de empresa, produtos comercializados, estratégia comercial, composição financeira, entre outros.

Tome o cuidado para não se perder em um mar de números. Ter muitos indicadores, ou indicadores para tudo, pode causar mais trabalho extra do que benefícios na performance e atingimento dos seus objetivos. Foque na simplicidade e relevância.

Após definir seus KPIs, e ter validado eles no dia a dia, aí sim você vai poder comparar o seu desempenho com empresas semelhantes à sua dentro do seu setor de atuação, buscando as melhores práticas no mercado, afinal, em alguns casos, só dá para avaliar um certo resultado comparando-o com outros. Isso chamamos de benchmark, ou em palavras mais simples “padrão de referência”.

Revisando KPIs

O ideal é realizar algumas perguntas periodicamente para manter o foco e importância dos KPIs:

* Possuem feedback rápido?

* Eles se sustentam a longo prazo?

* Tem origem em uma estratégia válida?

* O objetivo deles é a melhoria contínua?

* É alcançável aos executores do processo?

* Seu entendimento é fácil para todos na organização?

* É mensurável? Sua medição segue uma lógica clara e objetiva?

* Eles têm relação direta com os objetivos principais da organização?

* A empresa tem toda a gestão sobre o que influência esses KPIs?

Então manter os KPIs precisos, simples e relevantes pode recompensar uma empresa com insights e orientações extremamente importantes. Revisões regulares asseguram que a eficiência dos mesmos será mantida, pois a dinâmica das empresas e do mercado podem tornar esses KPIs obsoletos ou danificados para a gestão.

Vamos voltar a nossa viagem de carro mencionada anteriormente, você faria essa viagem sem que o painel de instrumentos estivesse funcionando? Imagino que não, mas é o que muitos gestores fazem hoje em dia quando gerenciam as suas empresas.

Agora já podemos concluir que os KPIs são vitais, pois apontam para quais áreas ou situações precisam de uma ação corretiva e também podem revelar tendências a longo prazo, possibilitando a organização se preparar para oportunidades ou situações críticas.

Vasata

O que é Data-driven!


O que é Data-driven!

Você já ouviu falar de data-driven? Se sua resposta é não, gostaria de compartilhar contigo alguns conceitos a respeito do tema.

Hoje em dia com a evolução da economia e a velocidade tecnológica, não cabe mais espaço para decisões baseadas em 'achismos', ou instinto. As tomadas de decisões, em todos os níveis organizacionais, necessitam de velocidade, assertividade e precisão, devido à grande troca de informações e alto nível de concorrência nos ambientes empresariais.

Não digo que a experiência e o feeling não tenham mais valor, mas precisam estar apoiadas em algo mais concreto, que potencialize as competências dos gestores.

É aqui que entra o tal “data-driven”, que literalmente significa "direcionado por dados" ou "orientado por dados". Empresas data-driven são aquelas que reúnem os dados sobre o próprio negócio e o seu entorno e os armazenam para utilizar através da inteligência de negócios (BI) em situações estratégicas e na tomada de decisões.

Saiba principalmente que grandes empresas que estão fazendo a diferença no mundo já vivem embasadas na cultura data-driven e sua performance gigante está completamente ligada a decisões guiadas por dados.

Atualmente, ser data-driven é crucial para se obter sucesso, pois segundo William Edwards Deming “não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, e não há sucesso no que não se gerencia”.

Os dados se tornaram os principais recursos para o aperfeiçoamento e sucesso das empresas. Quem não aproveita os benefícios dessas informações perde competitividade e a oportunidade de ganhar mercado.

É importante ressaltar que os dados não mostram o futuro para o gestor, mas indicam padrões e áreas que necessitam de ações. Imagine que um determinado departamento ou produto esteja sugando energia e recursos financeiros, e ao mesmo tempo está oculto aos gestores, o quanto isso pode ser prejudicial.

Em uma empresa com a cultura data-driven, as informações são transformadas em ações e os resultados dessas ações são transformados em novos dados. É um processo cíclico e contínuo, que encorpa a empresa e a deixa cada vez menos suscetível a surpresas, deixando os gestores com mais tempo para tomar decisões e criar novas oportunidades.

A cultura data-driven torna as empresas mais ágeis, adaptáveis e criativas, além de conseguir agir com objetividade. Contudo, os dados dependem da inteligência humana para serem interpretados e transformados em ações, por isso, é tão importante e valioso a experiência dos gestores, bem como criar um ambiente que treine e incentive o uso e a análise de dados em todos os níveis organizacionais.

Porém as ferramentas vão coletar muitos dados e nem sempre todos serão necessários ou úteis para o seu negócio, por isso é muito importante saber separar os dados certos e eliminar os errados. É preciso saber quais são as informações que agregam valor para construir suas estratégias, pois ter um acúmulo de dados desnecessários pode prejudicar e dificultar a elaboração da ação mais adequada.

Espero que nesse momento você já esteja convencido da necessidade da cultura data-driven para o sucesso das empresas, portanto é bom ter em mente algumas ações que evidenciam essa cultura. Quero destacar quatro;

1. Nas rotinas de uma empresa data-driven sempre existe o hábito de captar dados e isso faz toda a diferença, tanto para melhorar processos internos quanto para diminuir riscos e potencializar estratégias.

2. Todas as fontes de dados são integráveis, ou seja, existe uma relação direta que as conecta, de forma que partes do negócio não se isolem, deixando assim de entregar valor para toda a organização.

3. Existe a democratização dos dados para facilitar as tomadas de decisões, com isso, todas áreas da empresa são capazes de ver e entender os dados que lhes interessam sem necessidade de consultoria especial do time de dados a todo momento.

4. Sempre que for necessário tomar uma decisão, o primeiro passo é reunir o máximo de dados possíveis sobre o assunto e tentar extinguir as possibilidades para depois escolher o caminho a seguir. Nunca tomam decisões, para em seguida, encontrar dados visando apoiá-las.

Essas são somente algumas atitudes que revelam a cultura data-driven em uma organização. Espero ter incentivado e disseminado a importância da gestão orientada por dados.

Antes de encerrar quero destacar que dentro da cultura data-driven sempre é necessário criar métricas ou KPIs (Key Performance Indicators), que deixarão bem claro a real performance trazida pelos dados, mas isso é assunto para outro artigo...

Roseane

Durante a criação de um relatório nas ferramentas de business intelligence podemos utilizar de 04 tipos de análises para a elaboração deste: descritiva, de diagnóstico, preditiva e prescritiva. A escolha de qual ou quais abordagens serão utilizadas, dependerá do objetivo do relatório e do seu público-alvo.

Abaixo explico de forma sucinta cada um dos tipos de análises de acordo com o glossário do grupo Gartner, referência no assunto de business intelligence.

Análise Descritiva: é o exame de dados ou conteúdo, geralmente realizado manualmente, para responder à pergunta “O que aconteceu?” (ou O que está acontecendo?). Normalmente utiliza visualizações como gráficos de barras, gráficos de linha, tabelas.

O exemplo ao lado descreve as vendas de uma empresa, mostrando o período em que ocorreu, quais foram as marcas, em qual localização.

descritiva.jpg

Imagem: portifólio próprio

 

Análise de Diagnóstico: é uma forma de análise avançada que examina dados ou conteúdo para responder à pergunta: “Por que isso aconteceu?” Caracteriza-se por técnicas como detalhamento, mineração de dados e correlações.

O exemplo ao lado faz a correlação do lucro da empresa com a margem % e o estado, e essa correlação permite analisar nesse aspecto porque o lucro foi baixo, médio ou alto.

Correlacao.jpg

Imagem: portifólio próprio

 

Análise Preditiva: é uma forma de análise avançada que examina dados ou conteúdo utilizada para prever cenários, respondendo à pergunta: “O que vai acontecer?”.

O exemplo ao lado prevê através do machine learning embutido no Power BI, como será o faturamento nos próximos meses.

PREVISAO.png

Imagem: https://channel9.msdn.com/Shows/Power-BI-Tips-and-Tricks/Como-simular-cenrios-de-previso-de-dados

 

Análise Prescritiva: é uma forma de análise avançada que examina dados ou conteúdo para responder à pergunta “O que deve ser feito?” ou “O que podemos fazer para fazer acontecer?”, e é caracterizada por técnicas como análise de gráficos, simulação, processamento de eventos complexos e machine learning.

O exemplo ao lado é uma das formas de análise prescritiva, nele é possível simular algumas variáveis como aumento do custo e ver o seu impacto no lucro da empresa.

simulador-1024x575.jpg

Imagem: https://powerbiexperience.com/pt/dashboard-simulador-financeiro-fluxo-de-caixa/

Esses são os 04 tipos de análises que podem ser feitas, espero que tenha te ajudado a esclarecer.

Por hoje é isso , espero que tenha gostado.

Um abraço, Rose!

Análises: descritiva, de diagnóstico, preditiva e prescritiva – Análise Dinâmica (analisedinamica.com.br)

 

 

 

×
×
  • Criar Novo...